Tenha Esperança

Tenha Esperança
Psic. Odegine Graça

Nas profundezas do inverno, acabei aprendendo que no meu intimo há verão, invencível.

Albert Camus. Summer (1954)

 

Existe uma lei no universo que pode ser considerada uma lei divina. Essa lei é a lei da aceitação.

Aceitar é o primeiro passo para qualquer ato de mudança, cura ou redirecionamento de vida. Quando estamos sofrendo imensamente por uma situação, de incio negamos a existência dela, não conseguimos olhar para ela e tudo que fazemos é nos debater entre a negação e a raiva de saber no íntimo que aquilo aconteceu.

O I Ching nos diz: “Só quando temos a coragem de encarar as coisas exatamente como são, sem nenhum autoengano nem ilusão, é que nos advém com o evento uma luz que nos leva ao sucesso.”

A aceitação acontece quando nos dispomos a olhar a situação exatamente como ela é. Aquilo aconteceu daquele jeito, sem dramas, sem enfeites emocionais, sem as tão costumeiras desculpas que nos levam a fantasias provenientes dos mecanismos de defesa de nosso ego. Ter esperança, é ir além disso tudo. É sairmos das malhas de defesa do nosso ego e aceitarmos os sofrimentos do passado sem ficarmos presos nele. É quando nos entregamos no momento presente, olhando a experiência do passado como história, com a clareza dos fatos, e então simplesmente dizemos “Isso aconteceu comigo”.

Eu olho pra isso. Isso nos retira de tantas prisões fantasmas, tantos grilhões dos pés e mãos que vêm nos aguilhoando com suas mentiras desde nossa infância. Mentiras como Não sou digno de amor, O amor não dura, Nunca vou encontrar alguém que me ame  verdadeiramente, etc.

Aceitar é o primeiro passo para curar o coração ferido. Um aspecto vital desse processo é olharmos as coisas como elas realmente aconteceram, separando os fatos da ficção. Nós tendemos a olhar as coisas pelos nossos filtros de realidade, a enfeitar o sofrimento e deixá-lo tão bonito que não queremos mais nos separar dele.

Aceitar o fato como ele aconteceu não tem nada haver com resignação ao sofrimento ou ser vitima do destino cruel e dizer  Ah, tudo bem. Longe disso. Aceitar os fatos como eles aconteceram é tomar sua força nas mãos e dizer Isso aconteceu, eu sou maior com isso agora, essa é minha historia. Sou digno de amor e vou seguir em frente, pois quero viver.

Depois de qualquer situação dramática, temos que olhar de frente nossas escolhas. Por vezes escolhemos morrer ao invés de viver. As escolhas do nosso coração só nós podemos fazer, mas fica aqui um alerta: é bem menos sofrido e bem mais compensador, olhar para a coisa como ela realmente foi, aceitar e seguir em frente, do que engendrar-se em fantasias, deitar-se e morrer com elas, submersas nelas.

Fique vivo. Seja feliz. Se conseguir aceitar isso você está no caminho da vida

Artigos Relacionados