Solidão

Solidão
Terapeuta e Consteladora Odegine Graça

“Me sinto tão só.

E dizem que a solidão até que me cai bem.”

Renato Russo

A música triste de tom melancólico, fala de solidão, de fazer planos e querer ir a algum lugar, a um pais distante para voltar a ser feliz.

Ouço isso diariamente em meu consultório. Pessoas tristes que sentem-se sozinhas e que gostariam de mudar de casa, de cidade, de país, de casamento, pensando que assim voltariam a ser feliz. Será que isso dá certo? A resposta é: dificilmente.

Isto normalmente é uma tentativa de fuga de si mesmo, da sua dor, do enfrentamento de si mesmo. Por mais que pudéssemos ir para outro país, para outro universo, a verdade é que nós “iríamos junto”, ou seja, não podemos nos separar de nós mesmos. Para onde formos nossa dor ou nosso prazer irá conosco. Não tem como fugir.

Estamos todos nessa vida, nesse mundo, para nos encontrarmos verdadeiramente. Viemos aqui para isso, é inevitável que isso aconteça. Nos procuramos em uma religião, em um relacionamento amoroso, em um filho, em um trabalho, em diverso lugares menos em nós mesmos, em nosso interior. Falamos de tantas coisas com muita fluência, mas quando se trata de nos definirmos, esquecemos completamente toda gramática, toda a eloqüência.

Onde estamos de verdade? O que procuramos de verdade? Qual é a nossa verdade?

Essa solidão que reclamamos, o companheiro ou companheira que tanto queremos, ou achamos que queremos, ira amainar? Essa alma que se procura, esse vazio de significado, jamais vai se encontrar em um outro. Esse outro só vai se confundir nesse ser EU ainda tão confuso e esse vazio somente se tornará ainda mais pleno.

Não podemos amar a um outro, enquanto não nos amarmos a nós mesmos, assim como não podemos estar satisfeitos com um outro se não suportarmos nossa própria solidão e não encontrarmos o significado disso que somos e daquilo que viemos fazer aqui.

Quando estamos plenos de significados, quando estamos enamorados por nós mesmos e pela vida, percebemos a beleza de tudo e de todos e assim fica fácil amar e ser amado, desejar e ser desejado, pois estamos acordados e vendo a vida, não simplesmente desejando um estado ideal, uma pessoa ideal, uma vida ideal.

Estar aqui, agora, nesse momento presente, nessa vida que passa, nessa vida que muda, nos ciclos que se iniciam e nos ciclos que terminam é o momento real e único de ser completo, de ser presente, de estar vivo e de ser feliz.

Aqui e agora não existe solidão, somente vida.

 

Artigos Relacionados