Ser Transpessoal

Ser Transpessoal
Psicóloga Odegine Graça - Especialista em Autoestima, Relacionamentos e Relacionamentos Amorosos
Psicóloga Odegine Graça
Estou cursando uma Universidade da Luz. Não, não é uma metáfora, é realmente uma universidade da luz: Nazaré Universidade da Luz – Uniluz. Adivinhem o que faço lá? Especialização em Psicologia Transpessoal.
Se o céu existe, o endereço é a Nazaré Uniluz, e se mentores de luz existem o nome deles são Lia Beatriz e Thoné Daniel, os coordenadores desse momento de evolução. São pessoa que além de um conhecimento técnico profundo tem algo muito além, são seres humanos da melhor qualidade e com muita verdade, sem esforço. Nesse lugar encontrei mestres de verdade que acolhem verdadeiramente a luz e a sombra de todos aqueles a quem decidiram abraçar e ajudar a alcançar um estágio evolutivo maior, pois é assim que me sinto lá. Eles nos autorizam a sermos nós mesmos, sem truques e em nossa inteireza. Já estava meio desacreditada no mundo dos cursos e das muitas terapias, até encontrar Nazaré Uniluz e seu trabalho com a Psicologia Transpessoal.
Vou iniciar a publicação de alguns textos compartilhando minha experiência de lá com vocês. A seguir o primeiro deles. Sintam um pouquinho desse amor.

“A luz é a única realidade.”

Livro dos Mortos Tibetano

A Psicologia Transpessoal veio RE-velar, no sentido mais estrito dessa palavra, ou seja de mostrar, DES-velar, tornar claro, um homem maior que o behaviorista, o comportamental, feito apenas de estímulos/respostas e proposta de um ambiente imposto. Ela revela um homem conectado com um todo vivo que se forma e se transforma, fazendo sentido, como um projeto vivo em um caminho, em um processo.

A emergência da Psicologia Transpessoal foi o resultado de uma transformação em cadeia da vida na terra. Em meados para o final de década de 1960, surge a quarta força da psicologia conforme designou Abraham Maslow, um dos seus precursores. Os ventos do desassossego no mundo maquiado do consumismo norte americano e seu modelo perfeito de donas de casas felizes, com cabelos de “laque” e máquinas para limpar o lar-doce-lar cai por terra e um novo paradigma começa a emergir. O princípio da incerteza na física de Heizenberg golpeia fortemente Aristóteles e seu terceiro excluído quando apresenta os elétrons dançando a “realidade”, ora como ondas e ora como partículas. A interferência do observador na experiência observada exigem do homem concreto, cartesiano e aristotélico uma simultaneidade de identidade e um ver com os olhos fechados, andando em terras invisíveis. Toda a dita realidade, tão segura, real e concreta se desfaz como folhas que caem ao vento. No âmbito da biologia o próprio conceito de “vida” passou por uma profunda reavaliação. Com certeza a música do Lulu Santos cairia muito bem aqui: “Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia”, e como uma onda no mar o homem se desfez por inteiro, o patológico tomou conta  desse homem sozinho, isolado e agora, inseguro.

A psicanálise e outras correntes da psicologia surgem para tentar dar conta mas foi Maslow com seu homem auto-realizado que vai alem do divã ao olhar para o homem saudável, criativo e que tem sucesso na vida. A psicologia transpessoal lança um olhar a esse homem saudável e integrado, reconhece esse ser em diferentes estados de consciência e esses diferentes estados de consciência tornam-se o principal objeto de estudo. A capacidade humana da autotranscêndencia, da autorrealização, bem como sua dimensão espiritual é por fim reconhecida na psicoterapia.

O psiquiatra Stanislav Grof em seu livro “Emergência Espiritual – Crise e Transformação Espiritual” faz uma viagem pela alma e psique humana, trazendo a luz as varias facetas de uma crise de emergência, ou despertar espiritual e os estados de psicose. A diferença básica é que nos estados de esquizofrenia, nas psicoses, o sujeito definha cada vez mais, perdendo sua capacidades, deteriorando em sua humanidade e intelectualidade, enquanto nos estados de emergência espiritual, embora as crises sejam bastante semelhante, o ser humano RENASCE delas, mais forte, integrado e poderoso. A autotranscendência e a autorrealização são reconhecidas como a etapa final desse desenvolvimento.

Para mim a psicologia transpessoal traz que SER TRANSPESSOAL é um processo de transcendência e um constante VIR A SER, é mais um  tornar-se transpessoal. É importante ainda dizer, que a psicologia transpessoal, tem necessariamente um caráter transdisciplinar, no sentido em que integra o conhecimento interno e externo na inteireza de uma realidade transformadora. O universo, a realidade, estão indissociavelmente ligados. Quando expandimos a consciência compreendemos que, como cita a apostila do primeiro módulo de formação da Uniluz, “quando o sujeito se transforma a realidade se transforma na mesma proporção”, logo, o foco principal de psicologia transpessoal nessa visão é, como cita novamente esta mesma fonte, “A Expansão da consciência, porque a realidade vai responder na mesma medida e proporção em que esta expansão se realizar em cada individuo.”

Artigos Relacionados