Os Tempos Mudaram: o Casamento e a Família Também!

Os Tempos Mudaram: o Casamento e a Família Também!

Thays Araujo

Psicóloga CRP 08/12185

Hipnoterapeuta Ericksoniana

Projetos em Qualidade de Vida e  Grupos de Crescimento e Desenvolvimento Pessoal

O programa “Fantástico”, da TV Globo, está exibindo uma série sobre a família brasileira, mostrando as principais mudanças no comportamento de pais, mães e filhos e os novos modelos familiares com mães ou pais sozinhos e casais homossexuais.

O assunto é discutido amplamente e não poderia ser diferente. Temos muitos casais e muitas famílias passando por mudanças e tentando se adaptar aos novos tempos. Isso nos faz pensar que, se temos famílias sendo constituídas de formas diferentes de anos atrás, isso quer dizer que temos uniões diferentes.

As mudanças sociais e morais trouxeram outros tipos de uniões além da tradicional de casamento religioso e civil entre um homem e uma mulher. Diferentes vivências como divórcios, recasamentos, famílias reorganizadas (“os meus, os teus e os nossos filhos”), uniões homossexuais, diferenças de idade e cultura e crenças caracterizam tipos de conjugalidades variadas. Isso possibilita novas experiências e aprendizagens e novos objetivos nos relacionamentos.

Atualmente as pessoas estão buscando relações em que possam expressar o desejo de estar junto do outro de forma satisfatória e querem estar ao lado de alguém com quem se sintam bem, pela qual possuem afinidade e com a qual tem projetos em comum. Portanto, os casais estão menos amarrados por tradições familiares e mais livres do que nunca para desenvolverem relacionamentos diferentes daqueles que seus pais viveram. Como cada um possui cultura própria, com rituais familiares, crenças, mitos, normas e regras as novas uniões implicam em uma maior negociação da vida a dois. (Clique para continuar a leitura)

Neste cenário, o aspecto afetivo (amor) não é o que parece sustentar ou dá estabilidade ao casamento, mas sim a possibilidade e habilidade que os parceiros têm de administrar as adversidades da relação. Tal observação poderia ser agente facilitador de relações mais saudáveis, onde a flexibilidade, a negociação, a aceitação e o entendimento das características do cônjuge serviriam de base para o crescimento conjunto e a construção de relações mais satisfatórias, sem esquecer que dois parceiros nunca correspondem nem satisfazem completamente um ao outro.

Assim, podemos dizer que uma “família moderna” se caracteriza pela realização emocional e afetiva das pessoas, muito mais do que uma manutenção de papéis rígidos e inflexíveis.

Podemos constatar isso na reestruturação de papéis e funções dentro do casamento juntamente com as mudanças de comportamento de homens e mulheres ao longo dos anos. As tarefas e a forma de lidar com elas não são mais as mesmas. O que prevalece não é mais o conceito de tarefa de mulher e tarefa de homem que define quem faz o que, mas o tempo disponível de cada um, as potencialidades e competências de cada um, e o contrato que cada casal faz sobre as tarefas e sua divisão.

Desta forma, o que parece dar tônica à relação, não são regras e normas que regem o casamento e o determinam enquanto ações e sentimentos necessários para que exista e para mantê-lo, e sim as características individuais dos parceiros que contém influências de diversos sistemas, como por exemplo, sociais, familiares, culturais, geracionais, etc., e a forma como eles vivenciam a relação e constroem a sua conjugalidade, que depende das características pessoais constituídas anteriormente à união.

Pare para observar a sua família, a de seus amigos, do seu namorado ou da sua esposa, do seu vizinho. Provavelmente, em algumas delas você encontrou “o marido da mamãe”, “o irmão por parte de mãe”, “os filhos da mulher do papai”, “o casal sem filhos”.

Esta é a realidade das nossas famílias nos dias de hoje e outras mudanças devem vir, porque se os tempos mudam, nós mudamos também.

Então, aguarde as cenas dos próximos capítulos!


Quem sabe você possa nos contar um pouco sobre como é constituída a sua família e compartilhar conosco essas mudanças todas.


Artigos Relacionados