O Segredo dos Espelhos

O Segredo dos Espelhos
Terapeuta e Consteladora Odegine Graça - Especialista em Autoestima, Relacionamentos e Relacionamentos Amorosos
Terapeuta e Consteladora Odegine Graça

Era uma vez… um castelo medieval habitado por um rei e uma rainha e toda a sua corte. Cada quarto tinha um espelho que era muito pouco usado. Ninguém gostava de se ver no espelho; ao contrário, todos sentiam um certo desconforto olhando a própria imagem refletida. Um dia, não se sabe como, quebra-se o espelho de um dos quartos. Após alguns dias, a rainha nota que naquele quarto sem espelho alguma coisa tinha mudado. As pessoas param para conversar, trocando opiniões, conhecimentos e risadas. Nota-se um clima alegre e relaxante, que não somente faltava antes, mas que continuava a faltar nos outros quartos.

A rainha conversa com o rei, afirmando que, para ela, o motivo da mudança deve-se a falta de espelho. O rei parece não acreditar na rainha, mas ela, mostrando-se convencida, deseja verificar sua hipótese com o experimento. Pede ao rei que tire o espelho de um outro quarto e observe o que acontece.

Após alguns dias, o rei não pode senão dar razão a rainha, pois nesse quarto também se verifica o mesmo fenômeno: as pessoas sentem-se a vontade, não existe mais aquele desconforto, aquele incomodo, que se notava antes e que se percebe ainda nos quartos com espelhos.

Não necessitam de outras provas, mas estão curiosos em conhecer a origem daqueles estranhos espelhos. Então, o rei faz uma pesquisa nos arquivos do reino, descobrindo que tinham sido construídos por um  alquimista, que possuía a ambição de indicar a perfeição. Preparando a mistura para os espelhos, tinha usado uma fórmula mágica, que exibia os defeitos de quem se deixasse neles refletir. O alquimista achava que poderia estimular as pessoas a melhorarem a si mesmas, a corrigir seus defeitos. Essa era a intenção positiva do alquimista, mas infeliz e contrariamente, tinha obtido desconforto, mal-estar e vergonha. As pessoas não gostavam de ver de perto os próprios defeitos, sem poder, ao mesmo tempo, ver os próprios méritos.

O rei e a rainha decidem então eliminar os velhos e comprar novos espelhos. O rei ocupa-se pessoalmente da compra, pois dessa vez, não quer correr riscos.

Vai então à cidade dos espelhos, rodando pelas lojas a procura da mais adequada. Entra na primeira, onde encontra um vidraceiro especializado em molduras. Enquanto o rei pede para ver alguns espelhos, o vidraceiro mostra a beleza, o valor, a fatura, o refinamento e a preciosidade de suas molduras.  O rei percebe que não é esse o vidraceiro que lhe serve e parte para outra loja. Na segunda loja, o rei vê belíssimos espelhos de mosaico, composto por inúmeros fragmentos elegantemente reunidos, mas que só permitem a visão de um pequeno pedaço de cada vez e não da figura inteira: essa também não era a loja que o rei estava procurando. Entra numa terceira e percebe logo que nessa vendem-se espelhos que fazem parecer alto quem é baixo e baixo e baixo quem é alto; magro quem é um pouco gordo e um pouco gordo quem é magro. Então, o rei acha que já chega de espelhos deformantes, não é o que procura.

A essa altura, o rei está perplexo. Não pensava que a busca por um simples espelho pudesse ser assim tão complicada. Ocupado nesses pensamentos, ouve alguém cantarolar. Deixa-se guiar pelo canto, chegando num atelier onde um vidraceiro está terminando um espelho. O rei o observa trabalhar e lhe bastam poucos indícios para compreender a habilidade do vidraceiro, acompanhado por uma profunda serenidade. Curioso o rei pergunta o que o faz assim tão sereno. E o vidraceiro responde “Tenho um trabalho que amo e me dá satisfação, uma mulher amiga e companheira fiél e dois filhos saudáveis e simpáticos. Não existe nada no mundo que eu possa desejar mais que isso.” O rei então, pergunta o que tem de especial em seus espelhos. O vidraceiro responde que seus espelhos são muito simples, essenciais, pois executam sua função natural. O rei pergunta qual é a função natural de um espelho. O vidraceiro responde: “Refletir.” O rei não parece satisfeito com a resposta e de novo pergunta ao vidraceiro: “Diga-me, você que é um especialista, qual é o segredo encerrado nos espelhos, qual é a sua magia?” O vidraceiro pensa por um instante e responde: “O segredo dos espelhos está nos olhos de quem vê.”

Mudar a maneira como vemos a nós mesmos por vezes é uma exigência de purificação da alma, onde uma atitude de amor e compaixão de si se instauram. Jesus disse: ama seu próximo como a ti mesmo. Como amar ao próximo se não amo a mim mesmo? Será que o verdadeiro desafio proposto não é conseguir amar a si mesmo com liberdade e plenitude?

Como posso ter um olhar de compreensão, verdadeiro, com o outro, se só sei julgar e exigir coisas impossíveis de mim mesmo?

Pense um pouco nisso.

E dê uma chance para você mesmo.

Você merece.

Artigos Relacionados