O QUE É O AMOR?

O QUE É O AMOR?

Neste mês de julho, o blog da psicóloga ODEGINE GRAÇA, dá início a sua mais nova série: “O que é o amor?

Disfrute, comente, opine. Afinal, o amor é o sentimento inerente e indissociável ao ser humano.
Acompanhe, disfrute…

“… e ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres e ainda que entregasse meu corpo para ser queimado, se eu não tivesse amor, nada disso me aproveitaria”.

(Trecho da primeira carta de São Paulo aos Coríntios).

O amor é a emoção mais perfeita que existe. A palavra emoção vem do latim: e-movere, que quer dizer, precisamente, movimento. O amor é um movimento constante que leva ao crescimento. Sem amor não existem relações, somos animais dependentes dele.
O amor é a condição de toda a existência humana: nós seres humanos nos originamos do amor e somos dependentes dele. Na vida humana, a maior parte do sofrimento vem da negação do amor. Eu diria que 99% das enfermidades humanas tem a ver com a negação do amor.
O biólogo Humberto Maturana, em seu livro “Emoções e linguagem na educação e na política”, reconhece que o homem é um ser relacional movido pelo amor, e que é através deste que estabelece o diálogo e a construção da própria vida, pois não há ação humana sem uma emoção que a estabeleça como tal, e a torne possível como ato. O amor é a emoção que torna possível a convivência e a interação com o outro enquanto este é diferente de mim. O amor amplia e estabiliza a convivência e, sem sombras de dúvida, nos torna seres melhores e mais humanos, mais esperançosos e cheios de energia para transformar o mundo em um lugar muito melhor para todos.
Lembre-se: O amor é aquilo que imprime significado as coisas, e permite compreender o espírito humano, que nos enche de sabedoria e compaixão por tudo que é vivo. Amor significa interação com a vida, significa fazer parte, sentindo tudo e o todo. É algo além do sujeito e do objeto somente. Amor é estar presente, é pertencer, é ir além de si mesmo. O verdadeiro sentido do amor exige que a vida seja vivida em sua plenitude.

Artigos Relacionados