Mulheres que Amam Demais.

Mulheres que Amam Demais.

Mulheres que Amam Demais.
Quando O Amor nos faz Mal.
Odegine Graça.
Palavras chaves: Mulher, relacionamento amoroso, patologias do afeto, amor, afetos positivos.

Era uma vez uma menina que se chamava Maria, mas poderia ser Joaquina, Diana, Amélia, talvez Amélia seja melhor. Essa menina cresceu em um lar abusivo com pais que não podiam respondê-la emocionalmente e onde menos um dos pais era alcoólatra ou tinha algum tipo de vicio. Essa menina cresceu muito cedo e aprendeu que para ser amada precisava suportar calada e acima de tudo cuidar de alguém quando ainda não se esta pronto para cuidar de ninguém. Aprendeu que é preciso se virar nos trinta, fazer as coisas darem certo modificar o comportamento de alguém, e acima de tudo não ter necessidade própria nenhuma. Aprendeu fortemente que não merece amor, respeito ou qualquer forma de dignidade humana. Então essa menina cresceu mais forte que todos, mais sábia que todos e prestativa para todos, tudo doava e nada pedia. E casou-se com alguém que a maltratava em palavras, gestos, e muitas vezes até mesmo lhe batia. Mas… Em tantos momentos ele parecia arrependido e era tão gentil com ela, ela tinha mesmo a certeza, ele iria mudar algum dia e que era sua obrigação amá-lo muito e seu amor o curaria algum dia.
Esse é o perfil da maioria das mulheres que amam demais, mulheres que desde a infância sofrem abuso de alguma maneira e então quando crescem repetem a situação em suas vidas tentando superar as mazelas vividas na infância. Sofrem em relacionamentos infelizes e ficam neles até a morte física muitas vezes. Essas mulheres normalmente vem de lares desajustados, onde suas necessidades emocionais não foram satisfeitas. Não receberam um mínimo de atenção, tendo que suprir sua própria necessidade de atenção através de outra pessoa, assim ela se torna superatenciosa, principalmente com homens aparentemente carentes. Essa menina não tendo podido transformar seus pais nas pessoas amáveis e atenciosas que precisava, passa a procurar essas mesmas características em homens para tentar transformá-los e construir a família perfeita que sempre necessitou ter. Isto normalmente é totalmente inconsciente. Essa mulher tem na alma o medo enraizado de ser abandonada, por isso faz qualquer coisa para impedir o fim do seu relacionamento, por pior que ele seja. Para satisfazer seu homem, faz de tudo, é sempre muito prestativa nada é caro para ajudar o homem com quem esta envolvida. Habituada a sofre e ter falta de amor nas relações pessoais essa mulher estará pronta a ter paciência, esperança, e uma benevolência de fazer inveja até a Madre Tereza para agradar seu homem. O único problema é que sempre ela fracassa, pois é muito difícil para essa mulher reconhecer: o problema de afeto negativo que reside nela e, é ela que procura um homem problemático, e cruel com problemas e não esta disposto a mudar. Ninguém muda ninguém que não queira mudar. Essa é uma característica muito comum de pessoas com onipotência camuflando uma baixa estima, achar que é tão poderoso ao ponto de interferir no desejo, na vontade do outro e fazê-lo se tornar aquilo que a pessoa deseja. Existe de fato uma esperança, e ela esta em modificar seu próprio comportamento, em conhecer-se de maneira mais profunda e acreditar assim que você é um ser humano que precisa em primeiro lugar recuperar seu amor próprio, depois sim ter o amor de outra pessoa.

Artigos Relacionados