Mitos Sobre o Estresse

Mitos Sobre o Estresse

Thays Araujo

Psicóloga CRP 08/12185

Hipnoterapeuta Ericksoniana

Projetos em Qualidade de Vida e  Grupos de Crescimento e Desenvolvimento Pessoal


Hoje em dia é difícil deixar de ouvir alguém se queixando dizendo que está estressado. Mas o que é estresse afinal?

Muito se fala sobre o estresse, mas poucos sabem que ele não é uma doença e tampouco prejudicial. O que pode torná-lo danoso é a sua intensidade e freqüência. O estresse é uma reação normal do organismo necessária e benéfica, pois faz com que o ser humano fique mais atento às situações de perigo ou de dificuldade. Portanto, o estresse é uma reação de adaptação do organismo diante de mudanças. Estas ocorrem em nossas vidas continuamente e temos sempre que nos adaptar a elas.

Nesses casos o estresse funciona como um mecanismo de sobrevivência necessário para estimular o organismo e melhorar sua atuação diante de circunstâncias novas. Mesmo situações consideradas positivas, como por exemplo, promoções profissionais, viagens, casamentos desejados, nascimento de filhos, etc., podem produzir estresse. As características desse estresse positivo são o aumento da vitalidade, entusiasmo, otimismo, disposição física, interesse. Por outro lado, o estresse negativo e prejudicial pode ter conseqüências mais danosas, como por exemplo, o cansaço, irritabilidade, falta de concentração, depressão, pessimismo, queda da resistência imunológica, mau-humor, etc.

Existem alguns mitos sobre o estresse. Veja algumas perguntas freqüentes sobre o tema.

O estresse é sempre ruim?
Nem sempre, pois é necessário para que a pessoa saiba agir em situações de perigo e risco. É ruim quando ultrapassa o nível de bem-estar humano e a pessoa passa a se sentir cansada, irritada, impaciente e pode passar a apresentar sintomas físicos como gastrite ou dores variadas e sintomas psicológicos como ansiedade, depressão, desmotivação, etc.

O estresse é uma doença?
Não é uma doença, mas é porta de entrada para diversas doenças, já que enfraquece o sistema imunológico responsável pelas defesas do organismo.

O estresse é apenas uma reação física e passa com descanso e relaxamento?
O estresse excessivo tem sintomas físicos e psicológicos (gastrite, insônia, dor de cabeça, gripes, problemas cardio-vasculares, depressão, ansiedade, desmotivação, irritabilidade, isolamento e introspecção, etc) e sendo persistente e crônico não deixará de existir com o descanso. É necessário ter acompanhamento médico e psicológico para que se possa ter o tratamento adequado. Lembrando que o descanso é importante para qualquer pessoa, não apenas para quem está estressado.

Se não houvesse estresse seríamos mais felizes?
Não, porque sem estresse não reagimos às situações da vida seríamos apáticos aos acontecimentos (bons ou ruins). A felicidade depende de como cada um reage diante das dificuldades e como aproveita os momentos bons.

O que é estressante para mim é também para outra pessoa?
O que é estressante para você, não é necessariamente para outra pessoa, pois cada um tem uma história de vida, cada um percebe o mundo de um jeito e age de uma maneira. Por exemplo, duas pessoas podem ter estresse por conta das exigências de trabalho, mas não necessariamente os motivos são os mesmos. Uma pode estar estressada por conta de prazos e metas que tem que atingir e outra porque não se relaciona bem com os colegas.

Temos que trabalhar menos para não sermos estressados?
Não, o que precisamos fazer é combinar o tempo de trabalho com o de lazer. Não é a quantidade de trabalho que nos deixa estressados, mas sim nossa maneira de reagir frente à sobrecarga. É preciso ter tempo para o lazer também.

Mudar a alimentação, fazer exercício e tirar férias acabam com o estresse?
Primeiro devemos lembrar que o que pode acabar é apenas o estresse negativo. Assim, uma boa alimentação e exercícios físicos contribuem para sua redução. Isso implica em mudança de hábitos e orientação de profissionais capacitados (médicos, nutricionistas). Estas práticas devem ser constantes para prevenir os sintomas de estresse e não apenas para combatê-lo.

Qual profissional devo procurar quando desconfiar que estou com estresse excessivo?
Psicólogos e médicos podem ajudar no diagnóstico e tratamento adequados, de acordo com uma avaliação de sintomas e características do momento de vida em que a pessoa se encontra, proporcionando melhor qualidade de vida.

Artigos Relacionados