Enganando-se

Enganando-se
Psicóloga Odegine Graça - Especialista em Autoestima, Relacionamentos e Relacionamentos Amorosos
Psicóloga Odegine Graça

“O sábio rei Weng pediu para visitar a prisão de seu palácio. E começou a escutar as queixas dos presos.

– Sou inocente – disse um acusado de homicídio -, vim para cá pois quis assustar minha mulher e, sem querer, a matei.

Outro falou:

– Acusaram-me de suborno, mas tudo o que fiz foi aceitar um presente que me ofereceram.

Todos os presos clamaram inocência ao rei Weng. Até que um deles, um rapaz de pouco mais de vinte anos, disse:

– Sou culpado. Feri meu irmão numa briga e mereço o castigo. Este lugar me faz refletir sobre o mal que causei.

O rei imediatamente chamou os guardas e ordenou-lhes:

– Expulsem esse criminoso da prisão imediatamente! Com tantos inocentes aqui, ele terminará por corrompê-los ! “

(As Parábolas na Empresa. Oganização de Alexandre Rangel. Editora Leitura).

Pois é.

Isso me faz refletir em quanto nós nos enganamos quanto as nossas verdadeiras culpas. Muitas vezes nos sentimos culpados por tudo no mundo, não confiamos nos outros para carregarem suas próprias dores. Outras vezes nos desculpamos de coisas que realmente deveríamos pensar sobre.

Tenho um paciente adolescente que é muito engraçado em sua expressões, e uma delas é:

– Doutora, minha cabeça entortou e eu pensei daquele jeito que só eu mesmo posso fazer e ai… já era né? Ninguém concordou comigo, porque ninguém tava com a cabeça torta feito eu.

Culpado? Por ser diferente...

Pensem como isso é fato. Quantas vezes estamos com a cabeça tão torta que somente nós conseguimos enxergar aquela realidade daquele jeito e teimamos em continuar a estrada de cabeça para baixo.

Penso que em tudo que fazemos em nossa vida, a questão não é ser culpado ou inocente, mas sim ser responsável pelos nossos atos. Tomar a responsabilidade daquilo que faço, do que decido e arcar, com o peso disso, encarando as consequências, é que nos faz pessoas verdadeiras em todos os aspectos de nossa vida.

Todos somos culpados de alguma forma e por algum motivo. Logo, “Ser ou não ser”, nem é essa a questão: É o que escolho, e pelo que me responsabilizo.

Pense nisso.

Grupo de Discussão Sobre Relacionamento Amoroso Cá Entre Nós

Artigos Relacionados