Grupo de Constelação Transpessoal

Constelação Familiar e Sistêmica
 

A Constelação Transpessoal é uma modalidade de Constelação Familiar e Sistêmica, cuja a mais conhecida é a Constelação Familiar de Bert Hellinger.

O trabalho desenvolvido na Casa das Fadas pela Psic. Odegine Graça contém algumas especificidades que distinguem a sua abordagem das Constelação Familiar tradicional nos seguintes aspectos:

  • É feito sob uma abordagem Transpessoal
  • É feito sobre uma mandala.
  • Leva em consideração os arquétipos e os complexos no momento da constelação.
  • Não pergunta o tema, já que muitas vezes o tema determinado pelo cliente não é o mais necessário para a alma do indivíduo.

Por que a Constelação Transpessoal?

A Psicologia Transpessoal propõe uma visão inclusiva e abrangente. Trabalhar a Constelação sobre essa perspectiva permite o máximo respeito e consideração a vida de quem está sendo constelado e dos representantes em todos os aspectos pessoais e de suas diferenças individuais e sistêmicas.

Por que a Constelação Transpessoal é feita sobre uma mandala?

O termo mandala foi trazido da tradição oriental para a psicologia por Carl Gustav Jung.

Ele traz em si o simbolismo da totalidade, portanto, na Constelação Transpessoal, de todo o sistema que a pessoa está inserida. A palavra mandala vem de uma expressão em sânscrito: Círculo, ou Manda (essência) e La (conteúdo). Juntando estes significados, Mandala pode ser entendido como “o que contém a essência ou a esfera da essência ou ainda o círculo da essência”.

As mandalas, desde os tempos remotos, estão ligadas ao divino. Para Jung, dentro da psicologia ela designa “imagens circulares que são desenhadas, pintadas com figuradas plasticamente, ou dançadas.”

A mandala tem sido estudada por muitos autores importantes como por exemplo: Jung, Chavalier, Samuels, Short e P. Laut e através de um blilhante trabalho da psiquiatra brasileira Nise da Silveira. Eles nos falam da mandala como símbolo do si mesmo, símbolo do centro, círculo mágico, simbolo da meta totalidade psíquica, da centralização da personalidade e produção de um centro novo nela.

Quando diferentemente da Constelação Familiar e Sistêmica fazemos o Constelação Transpessoal sobre uma mandala fortalecemos o significado e a imagem do circulo familiar, do circulo sistêmico que está sendo trabalhado.

Não pergunta o tema como na Constelação Familiar e Sistêmica?

Na Constelação Familiar e Sistêmica é tradicional o cliente trazer através das suas palavras a motivação da constelação. Geralmente essa solicitação é feita através de afirmações como “gostaria de trabalhar a questão X” ou “gostaria de trabalhar o meu Y”.

A Constelação Transpessoal utiliza abordagem direta do inconsciente.

Muitas vezes, quando uma pessoa expressa sua aflição atual, está apenas dizendo aquilo que está claro para sua mente consciente e não o verdadeiro problema que está enterrado profundamente no inconsciente. Um exemplo claro que vemos no dia a dia é uma tristeza profunda, que pode ser interpretada como uma depressão, como uma situação financeira desfavorável, como a falta de um relacionamento amoroso, bem como qualquer outra situação mais específica que naquele momento é interpretado como  a causa primordial deste sentimento.

Quando ao invés de ouvir a mente consciente deixamos o tema emergir na própria constelação, deixamos a porta aberta para as infinitas possibilidades de cura, para uma prosperidade em todos os aspectos. Desta forma a “alma” da pessoa tem a liberdade de até mesmo abranger todos os aspectos possíveis de serem relatados pela limitada consciência.

Quando e onde ocorre o encontro do grupo?

Você está convidado a participar todas as segundas-feiras a partir das 18 horas na Casa das Fadas. Agende sua presença por telefone ou whatsapp (contatos e endereços no final da página) para podermos garantir acomodações adequadas a todos e venha crescer conosco.

No que se baseia?

A família possui conteúdos psíquicos que são ativados e vivenciados pelos familiares, exercendo uma influência muito grande nos envolvidos. Isso é verificado através dos resultados da pesquisa, que mostraram que familiares apresentam muitas semelhanças nas suas respostas de associação. Para Jung, os conteúdos psíquicos são constelados nos familiares numa espécie de contágio.

O termo constelação é utilizado para exprimir o fato de que uma situação exterior, um acontecimento, palavra, enfim, um estímulo específico, desencadeia um processo psíquico o qual consiste de uma aglutinação e atualização de certos conteúdos psíquicos.

Trata-se de um processo automático que ocorre independentemente da vontade consciente do individuo e que o coloca numa atitude preparatória e de expectativa com base na qual reagirá de forma inteiramente definida.

A visão tradicional de Jung é de que a constelação é desencadeada por um estímulo externo; porém cabe aqui salientar a visão de Hermes Trimegistros: o interno é semelhante ao externo, o que está acima é semelhante ao que está abaixo.

Arquétipos

Podemos aqui levar em conta a constelação dos arquétipos, tendo a visão de Jung, que afirma que os arquétipos possuem uma carga específica por desenvolverem efeitos numinosos que se expressam como afetos. Estes produzem um rebaixamente parcial do nível da consciência, manifestado através da diminuição do sentido de orientação, pois ao mesmo tempo em que eleva um determinado conteúdo a um grau supranormal de luminosidade, retira também tal quantidade de energia de outros conteúdos possíveis da consciência.

Assim podemos ver que a família pessoal é um sistema, inserido em um país (outro sistema), inserido no planeta (outro sistema). Podemos levar em conta o sistemas dos seres humanos, e então a influência arquetípica em nossa raça. Conforme Jung nos revelou, todos os seres humanos carregam consigo padrões arquetípicos, que apontam desde os nossos ancestrais, configurando o que somos hoje, em diversos aspectos.

Herança

Esse muito do que somos hoje é herdado dos nossos antepassados mais diretos, como se fosse uma “genética emocional”, uma “genética reacional”. Está é a maneira como chamo as maldições e bençãos que herdamos de nossos ancestrais.

Pensem comigo, assim como herdamos cor de cabelo, pele, olhos, altura, características físicas de nossa família, também herdamos sintomas psíquicos, reações, sofrimentos de histórias que se repetem por muitas gerações. Boszormeny-Nagy, um dos precursores da idéia da Constelação Familiar e Sistêmica, chamou isso de Mito Familiar, do qual todos os membros fazem parte, e isso popularmente se chama destino.

Aqui encontramos o que chamo de “complexo familiar” herdado; ou seja, toda aquela família que de geração em geração revive, normalmente de maneira negativa, um determinado arquétipo.

Por exemplo:

  • O arquétipo materno da mãe devoradora.
  • O arquétipo paterno do pai destruidor
  • Inocente
  • Sábio
  • Órfão
  • Bobo
  • Guerreiro
  • Caridoso
  • Explorador
  • Amante
  • Criador
  • Governante
  • Mago

Esses complexos aparecem claramente constelados na mandala. assim que o constelando pisa na mesma.

Muitas vezes, posso dizer que na grande maioria, o relacionamento que o filho tem com os seus pais, a maneira como a figura materna ou paterna aparece no campo, muito pouco tem da figura “real” dos pais. É na maioria dos casos a manifestação desse complexo familiar.

Trabalho Alquímico

O trabalho que desenvolvemos na Casa das Fadas é um trabalho alquímico, pois não acredito em destino linear e fatídico mas sim em transmutação. Vejo que nossas heranças genéticas de maldições são apenas matéria bruta para transmutar esse destino.

Como todo trabalho alquímico, este acontece em três fases:

  • Nigredo
  • Albedo
  • Rubedo

A primeira fase do negredo é logo que a a pessoa chega com seu destino de origem. Trabalhamos então a dissolução desse destino. Sua alegoria é a morte. É uma fase muito difícil, é uma massa negra, porém, é a chave do novo começo.

A segunda fase, o Albedo, é quando o destino antigo, fatídico, está dissolvido. Essa é a obra em branco. A maioria dos alquimistas é unanime em afirmar que a parte mais árdua do magistério é passar do Nigredo para o Albedo, é a fase em que a matéria tem que ser lavada e destilado continuamente, em um processo longo e difícil. É o momento em que você recebe a chave do seu livre-arbítrio  e tem a chance de escrever seu próprio destino.

A terceira fase a do Rubedo, é a fase do vermelha, a cor característica da última fase da grande obra. É a fase onde você manifesta o seu novo destino.

Formação Circular em Constelação Transpessoal

A Casa das Fadas, além da constelação de clientes, desenvolve uma formação continuada onde além da Constelação Familiar e Sistêmica e todas as suas variações, como Constelação Organizacional, Constelação do Espírito, etc., também tratamos especificamente da Constelação Transpessoal e suas ferramentas exclusivas para atendimento, como baralhos de cartas projetivas, diferentes mandalas para utilizar de base para constelação, instrumentos para constelação individual em consultório como âncoras de solo, etc.

Para mais informações acesse a página sobre a Formação Circular em Constelações Transpessoal ou entre em contato conosco pelo formulário, e-mail, telefone ou whatsapp abaixo:

Interesses
Vivências LúdicasTerapiasCursos

Terapias
PsicoterapiaPsicoterapia FamiliarCoaching de VidaOrientação ProfissionalTerapia FloralStory Self-Telling IndividualConstelação Familiar e Sistêmica