A Toa Na Vida

A Toa Na Vida
Psicóloga Odegine Graça - Especialista em Autoestima, Relacionamentos e Relacionamentos Amorosos
Psicóloga Odegine Graça

“Estava a toa na vida

o meu amor me chamou

pra ver a banda passar

tocando coisas de amor.”

Chico Buarque de Holanda

 

Antonio Demasio defende o ócio criativo, dizendo claramente que precisamos aprender a não fazer nada para deixar nossa mente fluir.

O que será isso?

Hoje sofremos todos de falta de tempo. Os diálogos de elevador e esquina são da seguinte forma:

– Olá tudo bem?

– Na correria, no sufoco, sem tempo pra nada.

– Isso é bom – responde o outro – sinal que as coisas estão dando certo.

Um aceno rápido de longe, pois não temos tempo para dar as mãos.

 

 

Esse é o dialogo dos conhecidos que se esbarram rapidamente na vida.

Aprendemos a nos manter ocupados, sem tempo livre, pois não temos a mínima ideia do que faremos com essa liberdade. Não desperdice seu tempo, viva mais diz o anúncio, vendendo algum prazer caro e passageiro. Aprendemos a trabalhar muito para comprarmos o direito de permanecermos prisioneiros de nossas próprias vaidades.

Simone de Beauvoir disse: “A liberdade nos assusta, ele é para nós uma condenação, estamos condenados a ser livres.” Isso nunca foi tão verdadeiro quanto nessa época que vivemos, geração fast food freiados por ritalina.

SUPERATIVIDADE…

Resultado: Hiperatividade em nossa geração a palavra é super… os pais decidem que devem estimular os filhos de todas as formas desde muito cedo. Para tanto temos a disposição berçários e escolinhas super caros e com todo o tipo de especialista para criar nossos filhos, devidamente super estimulados.

Devemos lembrar que o maior estímulo, o mais saudável e positivo, é amor, carinho e presença, materna e paterna.

Veja, não estou falando das mães que necessitam deixar seus filhos em creches para sustentar a família, estou falando de pais que tem toda a condição de ficar com seus bebês até idade adequada e decidem, em nome da pedagogia e de outras ciências infantis, a favor das super escolinhas, pois acreditam que especialistas são melhores para seus filhos do que eles mesmos.

Ouvi no consultório outro dia uma mãe jovem executiva dizendo “Não posso ficar com meu bebê em casa durante seis meses sem fazer nada de útil e importante”.

Céus! Existe algo mais importante que criar bem um ser humano? Que cuidar da vida? Fico aqui me questionando que tipo de valores estamos vivendo e passando adiante.

É preciso repensarmos nossa função no mundo, nossos papéis e o que é realmente importante, para não virarmos mais um objeto de consumo, onde consumimos nosso direito de ser livre como condenação a liberdade de ser escravo de nosso próprio consumismo.

Eu me consumo até sumir de mim mesmo e de tudo aquilo que me faz humano.

O ano novo ta chegando, o que você vai fazer com sua vida esse ano?

Artigos Relacionados